Arquivo de Capítulos

Sinopse

Fabiano é um bancário bem sucedido que levava uma vida solitária com a morte da esposa e da filha num acidente. Três anos depois, ele conhece Carolina, uma nova funcionária que é transferida para sua agência e se encanta com ela. Por coincidência (ou não), Carolina tem uma filha com o mesmo nome da filha que ele perdera: Gabriela. Os caminhos dos dois acabam se cruzando e eles se apaixonam. Porém, um acidente faz com que Carolina entre em coma e ele se vê novamente sozinho, mas agora com a responsabilidade de cuidar da enteada.

Este livro é a segunda parte do DIÁRIO DE CAROLINA. Para conhecer a primeira parte, basta clicar no título do livro ou no selo aqui embaixo.

Autora: Aninha Barreto

____________________

Este livro é uma obra de ficção, qualquer semelhança com a realidade é uma mera coincidência.

Autora

Escrever é esquecer dos problemas do cotidiano! É mergulhar em novos mundos, em cada página uma nova emoção!

Aninha Barreto

Selo

Copie o código


Chat dos leitores

Outros livros da Autora

Sites amigos:

Diário de Bordo

____________________

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

19/05/2013

CAP. 01 – NOVOS E VELHOS AMIGOS


Entrei na sala e agradeci a Deus pela sala com ar-condicionado que durante todo aquele ano seria minha. Meus dias de calor haviam acabado. Procurei o lugar mais perto da porta, e para minha felicidade, os lugares do fundão ainda estavam vazios.

Sentei-me perto da porta e logo dois camaradas já entraram na sala fazendo bagunça. Carlos Elias e Victor Hugo, eternos companheiros de fundão e de zuação. Era bom saber que estaríamos juntos por mais este ano, que talvez fosse o último, dependendo de nossas escolhas para a faculdade.

Fizemos grande algazarra no reencontro, enquanto outros colegas chegavam e se juntavam a nós festejando o último ano de colégio.

De repente os meninos se calaram e seus olhares se voltaram para a mesma direção. Imitei-os e vi Fernanda, que se aproximava linda como sempre, muito perfumada com os cabelos impecavelmente escovados.
Passou por nós, cumprimentando a todos muito gentil, mas foi para mim que ela ofereceu o sorriso mais bonito e a piscadinha que sempre me deixava desconcertado no ano anterior.

Meus amigos não deixaram por menos:

- E aí Fabiano!!! Se fosse pra mim toda essa moral, eu já teria me explicado!!

Fiquei sem graça, não gostava de exibir minhas conquistas, preferia seguir o modelo mineirinho come quieto. Não tinha que ficar contando pra todo mundo e expondo as meninas a situações constrangedoras.

Olhei disfarçadamente para Fernanda, e ela estava realmente linda, mesmo de uniforme ela conseguia se destacar entre as meninas. Mais alta que a maioria da sala, tinha um corpo esbelto, pele clara, cabelos negros e lisos, olhos de um castanho vivo e brilhante que lhe conferia um eterno ar de menininha perigosa.

Ela contrastava fisicamente comigo, embora eu também tivesse pele clara, era robusto, jogava futebol e fazia natação, o que me conferiu um corpo sarado, como sempre ouvia das meninas, tanto na escola quanto na rua.

O professor de química chegou na sala, e para não perder o costume, fazendo grande alarde. Era o nosso preferido, o grande Robert.